You are currently viewing O Sr. Ego T1 ep.8 – O buraco que fica quando tu não estás

O Sr. Ego T1 ep.8 – O buraco que fica quando tu não estás

Esqueçam todas as coisas de que o ego precisa normalmente – um ego apaixonado precisa apenas do objecto da sua paixão. Nos filmes de Hollywood, quando os protagonistas se vêem pela primeira vez, o mundo fica esbatido e a única coisa que aparece com nitidez são eles os dois. Assim é também na vida (ir)real para o ego que se apaixona.

O ego apaixonado esquece-se de comer, perde o sono, e pode renunciar a tudo. Desengane-se, não é um súbito ataque de desapego. O ego acabou apenas de transferir e concentrar todas as suas dependências numa só: o objecto da sua paixão.

De repente apareceu o cavaleiro andante, a bela dama, capaz de preencher o “buraquinho” que estava vazio dentro dele. Alguém que lhe dá a atenção que ele procura, que responde aos seus sms e diz não poder viver sem ele. Não pode haver maior prova de que existe e, por conseguinte, o resto é desnecessário.

No auge da paixão o ego faz do outro o centro de toda a sua atenção mas de uma forma obsessiva. Quanto mais está centrado sobre ele mais o resto lhe é indiferente – parece anestesiado.

Todos sabemos (quando não estamos apaixonados) que este fascínio inicial se desvanece. No melhor dos casos, dando lugar a um sentimento mais profundo, a um verdadeiro bem-querer, à ternura, à cumplicidade, ao amor. O tumulto, por vezes a tremenda agonia, da paixão evolui para uma doce ternura em que começamos a ver o outro como ele é, a aceitá-lo e querer que esteja bem. Gostar de alguém assim é uma bênção!

Mas quando corre mal (e acontece tantas vezes), assim que o ego deixa de receber a “sua dose”, o entusiasmo transforma-se em fel e todas as expectativas goradas nos vêm à boca num “como pude ser tão estúpido(a)!”. Fica então um grande vazio dentro de nós, um buraco que dantes preenchiam muitas outras dependências. A boa notícia é que esses desgostos de amor não passam de “ressacas” e que, se não teimarmos em nos agarrar a eles (identificando-nos com o “ego de coração partido”), em breve outras dependências preencherão a ausência da pessoa. E a vida continua…

Mas antes de, compulsivamente, voltar a preencher o vazio com mais 1500mg de dependência, porque não aproveita este súbito emagrecimento do ego de forma espiritual? Não se precipite a preencher o vazio com os mesmos tarecos velhos de sempre, espere um pouco e sinta todo o espaço que existe dentro de si. Chore por todos os que, como você, andam perdidos neste mundo. E depois, vagarosamente, preencha de novo o buraquinho com coisas mais interessantes e úteis.

Vá por mim!

This Post Has One Comment

  1. Li

    Uau, muito obrigada pela partilha! Este post fez todo o sentido p mim, especialmente o último parágrafo… “espere um pouco e sinta todo o espaço dentro de si” Sem ter dado por ela, foi exactamente o que procurei fazer depois de ter ficado com o meu coração dolorosamente esvaziado. Está-se a revelar, aos bocadinhos, um novo preenchimento bem mais interessante e útil.

Deixe uma resposta