You are currently viewing O hábito da felicidade

O hábito da felicidade

Numa sociedade obcecada com a felicidade e, paradoxalmente, extremamente infeliz, a ideia, cada vez mais difundida, de que a felicidade é uma escolha pode levá-lo a crer que basta carregar num botão para que, de imediato, comece a ver “o copo meio cheio” e a sua vida se encha de alegria. A realidade é um pouco diferente.

Para alguns de nós, trata-se de mudar padrões de comportamento negativos que, por vezes, nos acompanham há anos e nos mantêm num estado de espírito constantemente angustiado e tenso. Por isso, embora a felicidade seja uma escolha, até que ela se torne possível, temos de reconhecer esses padrões e adquirir a liberdade de os mudarmos. Depois, graças a uma higiene de vida saudável e equilibrada e o desenvolvimento de valores humanos, reunimos condições para que esses novos padrões se tornem habituais, substituindo definitivamente os negativos.

Além disso, pela forma dualista com que a nossa sociedade valoriza o bem-estar e se recusa a admitir o sofrimento, ela tem vindo a tornar a busca da felicidade em mais uma obsessão angustiada. Paradoxalmente, só quando reconhecemos a existência do sofrimento e o aceitamos é que algo de mais profundo pode surgir. A nossa condição humana é aceite e, com ela, a verdadeira dimensão da vida. Encaminhamo-nos então para a descoberta de uma plenitude agridoce e enternecida que merece, enfim, o nome de felicidade.

Deixe uma resposta