You are currently viewing Quem sou eu sem a minha história?

Quem sou eu sem a minha história?

Todos carregamos o nosso passado. Todos temos histórias, mágoas, traumas e também boas memórias. Na perspetiva do ego, esse historial é uma parte essencial da identidade. Um dos piores pesadelos do ego seria perder a memória, já que ele que vive do passado e retira existência da sua história de vida, que ele gosta de contar sempre que possível.

Falar de si reforça a existência do ego. Assim o perfil psicológico, o signo astrológico, memórias, marcas, gostos, preferências e tudo o que o defina e lhe dê forma faz as suas delícias e alimenta conversas intermináveis.

Não digo que não seja importante conhecermo-nos e estarmos minimamente conscientes dos nossos mecanismos. Conhecer o nosso ego é muito importante. Já alimentá-lo, nem por isso. O problema é que, às vezes, a fronteira entre uma coisa e outra não é muito clara.

Temos de procurar saber de que lado estamos. Queremos conhecer o nosso ego para o podermos detetar e trocar-lhe as voltas, ou queremos embelezar o nosso CV com todas as características distintivas (boas e más) da nossa pessoa?

Quem sou eu sem a minha história? Eis uma pergunta inquietante…Do ponto de vista do ego, perder a história é perder a identidade – e isso é o que ele mais teme. Mas, se ponderarmos esta pergunta de forma meditativa, poderemos chegar a uma conclusão inesperada e interessante.

Às vezes as pessoas pensam que o caminho espiritual é uma forma de embelezar o ego para que fique mais inteligente, mais feliz, mais sábio e carismático. Neste caso, corre-se o perigo de desvirtuar as técnicas usadas pelas tradições espirituais para nos libertarmos dele, usando-as para o fazer sobressair e reforçar em vez de o desgastar.

A verdadeira espiritualidade só começa quando entrevemos que a resposta a esta pergunta nos conduz não a uma inquietante perda de individualidade – como o ego nos quer fazer acreditar – mas à descoberta mais importante da nossa vida: o que somos é infinitamente mais do que a minúscula individualidade a que o ego se agarra com unhas e dentes.

Deixe uma resposta