You are currently viewing Crie laços calorosos

Crie laços calorosos

Paradoxalmente, o desenvolvimento dos meios de comunicação e das redes sociais, o estilo de vida moderno leva-nos a viver mais isolados uns dos outros. Teoricamente, estamos mais próximos do nosso vizinho do lado do que quando vivíamos disseminados em grandes espaços, mas, na prática podemos partilhar vários anos o mesmo prédio sem lhe dizermos bom-dia.

Nos transportes públicos, nas filas, nos passeios, nas salas de espera, miramo-nos de soslaio, com desconfiança, ou simplesmente ignoramo-nos uns aos outros. A indiferença e a hostilidade passiva vão-se tornando progressivamente a forma dominante de relacionamento entre desconhecidos.

Porém, uma vida desprovida de laços afetivos sinceros é profundamente frustrante e transmite-nos uma sensação de vazio e de falta de sentido. Por isso, não fique à espera que sejam os outros a vir ter consigo: tome a iniciativa de dar o primeiro passo, quer tenha a certeza de ser bem acolhido quer não. Obviamente, não se trata de impor a sua presença ou o seu afeto, de ser intrometido e chato, mas sim de se abrir e aceitar os outros na sua vida.

Há muitos tipos de laços afetivos e não tem de esperar tudo dos seus companheiros, da sua família ou dos seus amigos e ser completamente fechado e indiferente aos outros. Há famílias em que as pessoas se querem bem, gostam de conviver e se apoiam mutuamente, e outras em que não. Mas isso não significa que não possa ter laços sinceros e calorosos com amigos, vizinhos, colegas, ou mesmo com pessoas com quem se relaciona pontualmente. Não precisamos de garantir que a pessoa a quem sorrimos, que ajudamos a subir a escada ou que escutamos durante uns minutos, permanecerá para sempre na nossa vida. Podemos usufruir de um contacto genuíno de coração a coração, seja ele de um minuto ou de vários anos.

(Em o hábito da Felicidade)

This Post Has 2 Comments

  1. Margarida

    Ora nem mais!!!
    Se todos estivermos SÓ à espera de receber…. ninguém recebe nada…
    Se todos DERMOS não há ninguém que não receba! 🙂

Deixe uma resposta