meditação

A realidade da realidade

Aquilo que tomamos como real e inquestionável é sempre uma experiência da mente. Que tipo de existência terá fora dela? Esta é uma investigação que temos de fazer. Mingyur Rinpoche diz o seguinte:

A mente é como um ilusionista. Pode fazer-nos ver coisas que não existem realmente. A maior parte de nós entusiasma-se com as ilusões que a nossa mente cria e temos tendência para procurar fantasias cada vez mais excessivas. O mero drama torna-se viciante, produzindo aquilo a que alguns dos meus alunos chamam um “choque de adrenalina” ou uma “subida”, que nos faz sentir, ou aos nossos problemas, maiores do que tudo – mesmo quando a situação que a provoca é aterradora.

De forma estranha – talvez relacionada com a camada mais antiga e reptiliana do cérebro – gostamos realmente da tensão que essas experiências provocam. Ao reforçarem o nosso sentimento de “eu” contra “eles”, confirmam o nosso sentimento de individualidade – que é na verdade uma aparência desprovida de realidade inerente.
Excerto de A Alegria de Viver, Mingyur Rinpoche